fbpx

Mais de 10 mil camelos selvagens serão mortos na Austrália nesta semana

Publicidade

OS 5 TUBARÕES MAIS PERIGOSOS DO MUNDO!

Publicidade

Mais de 10.000 camelos selvagens serão mortos na Austrália por atiradores profissionais. O motivo? Bebem muita água, necessária num momento em que o país é devastado por incêndios.

O abate, que terá início esta quarta-feira e deverá demorar cerca de cinco dias, foi ordenado pelos líderes aborígenas das terras de Anangu Pitjantjatjara Yankunytjatjara (APY).

OS 5 TUBARÕES MAIS PERIGOSOS DO MUNDO!

Serão enviados helicópteros com atiradores para abaterem os animais que, devido à seca no país, estão a beber mais água que o habitual, escreve o The Australian.

O Departamento Estadual de Meio Ambiente e Água fornecerá aos atiradores dois helicópteros de quatro lugares. Os camelos selecionados serão deixados onde caírem, mas, sempre que possível, as carcaças serão queimadas ou enterradas.

Publicidade

Marita Baker, membro do conselho executivo da APY, disse que sua comunidade de Kanypi foi invadida pelas criaturas.

“Ficamos presos em condições quentes e desconfortáveis, nos sentindo mal, porque os camelos estão entrando e derrubando cercas, entrando nas casas e tentando passar água nos condicionadores de ar”, disse ela.

O Plano Nacional de Gerenciamento de Camelos Feral, publicado em 2010, indicou uma população de camelos selvagens de mais de um milhão de animais em uma área que cruza três estados e o Território do Norte. Sem controle, os camelos se reproduzem a uma taxa que a população dobra a cada nove anos. Camelos emitem metano equivalente a uma tonelada de dióxido de carbono por ano.

A APY quer usar as operações de controle de camelos para criar oportunidades econômicas e apóia o governo federal para alterar a legislação para conceder créditos de carbono por se livrar de camelos selvagens como uma maneira de reduzir as emissões de gases de efeito estufa.

“Um milhão de camelos selvagens emitem cerca de uma tonelada de CO 2 por ano, é o equivalente a ter 400.000 carros adicionais nas estradas”, disse Moore.

[The Australian]

Publicidade

Share