fbpx

Gustave, o crocodilo que ficou famoso por devorar mais de 300 humanos

Publicidade

Gustave, é um crocodilo que habitava o lago Taganica, localizado na África, ele se tornou mundialmente conhecido por atacar seres humanos, ganhando até um apelido de “serial killer” das águas.

Pesando mais de uma tonelada e com seis metros de comprimento, Gustave amedronta até os caçadores. Ele aparece quando quer e está associado a um número de 300 mortes.

Publicidade

Ele se tornou um  objeto de estudos, em primeira estimativa acreditaram que ele pudesse ter 100 anos de idade, mas com uma análise mais profunda a média foi reduzida para 60 anos, já que ele possuía uma arcada dentária intacta.

Nas tentativas de abater o animal ele já levou três tiros e também possui diversas cicatrizes. Mas ninguém conseguiu atingir o objetivo almejado.

A explicação para Gustave se alimentar principalmente de humanos é que ele é muito pesado, assim presas como peixes e outros animais ágeis estão além do seu alcance. Além disso, como ele é um animal muito grande, outros animais menores não irão saciá-lo, assim, ele gastaria energia sem necessidade.

Além de humanos, ele se alimenta de gnus e hipopótamos, o que torna toda a caçada violenta e sangrenta. Mas o predador poderia passar meses sem precisar se alimentar novamente.

Para capturar suas presas humanas, o crocodilo usa sua cauda para matar por sufocamento. Uma das mortes a que esteve associado foi a de uma funcionária da embaixada russa, ela estava banhando-se no habitat dele.

Em 2010, ele atraiu a atenção do caçador francês Patrice Fayet, que tentou capturá-lo com uma armadilha para crocodilos gigantes. Mas ele não conseguiu e em nota a BBC, alegou que Gustave é muito esperto e que o seu instinto de sobrevivência não deixa a desejar.

Faye trabalhou por dois anos nesse objetivo, o que acabou gerando o documentário Capturing the Killer Croc, que foi exibido em 2014. O documentário registra as diversas tentativas de capturar Gustave.

A primeira tentativa consistiu numa armadilha com uma gaiola gigante que pesava uma tonelada e tinha 09 metros de comprimento. Na gaiola foram colocadas iscas, mas Gustave não se sentiu atraído.

Depois, instalaram três armadilhas gigantes em margens estratégicas, para maximizar as chances de captura, mas apenas crocodilos menores foram apreendidos.

Publicidade

Chegada a hora de deixar o país, a equipe se arriscou uma última vez,  Colocando um bode vivo na gaiola, mas a câmera havia quebrado por causa de uma tempestade enão conseguiram registrar o que aconteceu.

No dia seguinte, tudo o que encontraram foi a jaula parcialmente submersa na água e o bode havia desaparecido, mas não foi possível entender o que acontecera na noite anterior.

Apesar das tentativas sem sucesso, haviam evidências de que Gustave estava rondando o local. O caçador estava obcecado pelo crocodilo e foi ele que decidiu nomeá-lo.

Ele acabou desistindo de capturá-lo e resolveu colocar um rastreador no animal para que pudesse estudá-lo melhor.

Mas para isso, ele precisou contar com o apoio dos moradores de Burundi, que passavam muito tempo próximo a lago. Eles monitoraram a rota de Gustave utilizando vários celulares, os moradores avisavam quando ele era avistado.

Outros caçadores seguiram tentando abater o animal com tiros, mas não obtiveram sucesso, segundo eles o animal parecer ter um couro à prova de balas.

A partir do estudo da trajetória de Gustave, foi possível relacioná-lo a morte de 17 pessoas em apenas 03 meses.

Isso também se deve a facilidade que tem para encontrar as pessoas já que elas insistem em se banhar nas águas do lago.Nesse ritmo, ele teria matado mais de 300 pessoas em 20 anos.

O último relato de aparição de Gustave foi em 2015, onde ele foi visto arrastando um búfalo adulto para as águas. Atualmente não há informações oficiais se ele está vivo ou não. Mas muitas pessoas acreditam que ele esteja morto.

Publicidade

Share