Essa família russa se isolou por 40 anos, e nem notaram a Segunda Guerra Mundial

Publicidade

No ano de 1978, um helicóptero estava sobrevoando a taiga russa, um lugar ideal para deixar alguns geólogos soviéticos, quando de repente a tripulação viu uma espécie de sulcos na terra em meio às árvores, parecia uma espécie de jardim. O helicóptero teve que sobrevoar a área várias vezes até que se determinou que ali havia um assentamento humano; Uma família russa isolada vivia naquele lugar distante.

Publicidade

Os verões siberianos são muito curtos; a neve dura até maio e depois de alguns meses, o frio retorna novamente em setembro, quando a taiga congela novamente, tornando-se um cenário sonolento e congelado. Esta floresta se estende a mais de 2 milhões de quilômetros quadrados; É um lugar inóspito em que apenas algumas centenas de pessoas vivem.

E em 1978, um helicóptero encontrou uma espécie de jardim ou jardim no meio da inóspita taiga, rapidamente surgiu a curiosidade: quem poderia morar lá? O local ficava a 241 quilômetros do assentamento mais próximo, era um lugar da taiga que não havia sido explorado; Supõe-se que ninguém morava lá.

Uma geóloga chamada Galina Pismenskaya orientou a exploração, junto com outras três pessoas. O grupo preparou presentes para entregar à eles e, por razões de segurança, trouxeram armas, porque não sabiam o que poderiam encontrar.

Cheios de curiosidade e expectativa, chegaram ao que parecia ser uma casa, um homem idoso, descalço e com roupas cheias de remendos, saiu ao encontro dos exploradores. Pismenskaya cumprimentou-o, mas o homem não respondeu imediatamente, até que finalmente ele disse: “Bem, vocês devem ter viajado muito, então podem entrar.”

O interior daquela estalagem parecia da Idade Média, tudo tinha sido construído com o que a floresta lhes dava. Seis pessoas moravam lá.

O primeiro encontro não foi muito amistoso e um pouco estranho, mas pouco a pouco, conforme as visitas aumentavam, essa estranha família estava mais aberta para contar sua história. O velho era Karp Lykov e, com a família, fugira por causa dos bolcheviques, porque sua vida estava em perigo por causa de suas crenças.

Publicidade

A família então composta por Karp, sua esposa Akulina, seu filho de 9 anos chamado Savin, e Natalia, sua filha de 2, pegou seus poucos pertences e algumas sementes e escapou da taiga russa, um dos lugares mais desolados e inóspito do mundo. Isso foi em 1936.

Depois de um tempo, o casal teve mais dois filhos; Dmitry e Agafia, que cresceram sem ver uma única pessoa que não era da sua própria família e sem conhecer nada do mundo além do que seus pais lhes disseram. Eles costumavam contar seus sonhos e idéias para se divertir.

Os Lykons aprenderam a sobreviver com o pouco que tinham, mas não foi nada fácil; o tempo era extremo e eles não tinham muito o que comer, estavam sempre com fome e às vezes lutavam para não comer as poucas sementes que se recusavam a germinar. Às vezes Dmitry caçava, mas os animais também freqüentemente fugiam daquele inferno congelado.

Os geólogos descobriram que cada membro dessa família russa isolada era único e desenvolveu habilidades específicas que lhes permitiram sobreviver lá. Foi incrível. Quando Karp fora informado de que o homem já havia atingido a lua, ele se recusou a acreditar, e não soube também de nada relacionado a segunda guerra mundial, mas alegou ter visto luzes no céu de vez em quando naquele período. Era a única coisa que sabia sobre a sociedade moderna.

Mas a família começou a desaparecer desde que tiveram contato com o mundo exterior. Akulina morreu e em 1981 três de seus quatro filhos a seguiram até o túmulo. Karp morreu em 2008. Agafia, a filha mais nova, enterrou o pai e recusou-se a deixar a taiga.

Quando os geólogos já estavam longe, eles se viraram para vê-la; Ela não estava chorando, ficou parada como uma estátua, então ela permaneceu ale até desaparecer da vista dos exploradores.

Hoje o último sobrevivente desta família russa isolada é Agafia, ela vive no mesmo lugar; mora sozinha há mais de 27 anos e prefere que seja assim, mas de vez em quando aceita a ajuda que chega de helicóptero. Isso torna um pouco mais fácil sua forma de sobreviver.

Essa história te surpreendeu?

Publicidade

Share