fbpx

Cientistas recriam rostos de personalidades históricas que viveram séculos atrás

Publicidade

Quando procuramos por representações físicas de pessoas do passado pré-fotografia, as únicas opções remanescentes que temos são os restos esqueléticos sombrios ou representações artísticas pouco detalhadas e imprecisas.

Alguns artistas tentam repensar a aparência, mas sua visão e imaginação limitam-se a seus próprios tempos. No entanto, a tecnologia avançou para os níveis em que podemos empregar a ciência para descrever com precisão como eram as pessoas do passado, como se estivessem vivas hoje.

Publicidade

Sabendo disso, vamos ver agora uma lista de várias reconstruções que nos dão um vislumbre fascinante do passado. Confira:

10. 

Henrique IV da França foi rei da França de 1589 a 1610, quando foi assassinado por um católico fanático. Ele também era conhecido como o Bom Rei Henrique por sua grande preocupação com o bem-estar de seus súditos. Philippe Froesch criou uma reconstrução facial forense CGI 3D de Henry, usando seu crânio como base.

9. 

A múmia de 2.000 anos conhecida como ‘Meritamun’ foi trazida de volta à vida usando a mais recente tecnologia. Cientistas da Universidade de Melbourne usaram o crânio para determinar que o Meritamun tinha entre 18 e 25 anos, tinha cerca de um metro e meio de altura e era anêmico. Infelizmente, eles não conseguiram encontrar a causa da morte, já que o resto de seu corpo nunca foi recuperado. Para reconstruir o rosto de Meritamun, os pesquisadores usaram pesquisa médica, ciência forense, tomografia computadorizada (CT), impressão 3D, egiptologia e arte.

8. 

Copérnico foi um dos mais brilhantes matemáticos e astrônomos da era da Renascença, que formulou um modelo do universo que colocou o Sol e não a Terra no centro do universo. Ele morreu com 70 anos. Uma equipe forense polonesa reconstruiu esse rosto de seus restos mortais.

7. 

Johann Sebastian Bach (1685 – 1750) foi um compositor e músico do período barroco, considerado um dos maiores compositores de todos os tempos. A antropóloga escocesa Caroline Wilkinson realizou medições dos ossos faciais de Bach para recriar uma imagem em 3D da aparência do rosto do compositor.

6. 

Jane era uma jovem garota (14 anos de idade) que foi comida por seus co-colonos do século 17 em Jamestown. Seu crânio mutilado e osso da perna decepada foram encontrados em 2012, entre ossos de animais massacrados e restos de comida, em um porão de Jamestown. O Dr. Douglas Owsley, principal antropólogo forense do Museu Nacional de História Natural da Smithsonian Institution, examinou os ossos e determinou que os cortes e marcas neles eram provenientes de uma tentativa de separar tecido e musculos dos ossos. Owsley concluiu que era um caso de canibalismo, já que as marcas eram consistentes com outros casos de canibalismo e com o fato de o povo de Jamestown estar morrendo de fome durante o inverno de 1609-1610.

5.

Publicidade

Testes de DNA revelaram que uma múmia conhecida como “a Jovem Senhora” é a irmã de Akhenaton (pai de Tut) e mãe de Tutancâmon. Embora sua identidade não tenha sido totalmente determinada, muitos acreditam que os restos pertencem à rainha Nefertiti, a Grande Esposa Real de Akhenaton. A paleoartista Élisabeth Daynès usou o scan da “The Younger Lady” para reconstruir um busto da rainha egípcia.

4. 

Maximilien de Robespierre foi um político e advogado francês, mais conhecido por seu papel na Revolução Francesa (1789 – 1799) e no Reino do Terror. Ele foi executado pela guilhotina em 28 de julho de 1794 com 36 anos.

Os cientistas usaram sua máscara de morte, bem como registros históricos detalhando a história médica de Robespierre para reconstruir seu rosto e determinar as doenças que ele sofreu.

Vários sinais clínicos foram descritos por testemunhas contemporâneas: problemas de visão, hemorragia nasal (“ele cobriu o travesseiro de sangue fresco a cada noite”), icterícia (pele e olhos amarelos), astenia (cansaço contínuo), úlceras recorrentes nas pernas e doenças faciais da pele associadas a cicatrizes de uma infecção prévia por varíola. Os historiadores especulam que ele sofria de sarcoidose. Os sintomas pioraram entre 1790 e 1794. Na véspera de sua decapitação, Robespierre sofreu uma ferida de arma de fogo na mandíbula em circunstâncias duvidosas.

3. 

Robert I foi rei dos escoceses de 1306 até sua morte em 1329, bem como um dos mais famosos guerreiros de sua geração. Ele liderou as forças contra a Inglaterra na Primeira Guerra da Independência Escocesa e conseguiu recuperar o lugar da Escócia como um país independente. Até hoje, Robert the Bruce é considerado um herói nacional na Escócia. Em 2016, historiadores da Universidade de Glasgow se uniram à Universidade John Moores, de Liverpool, para reconstruir o rosto de Robert, já que as representações visuais do rei eram escassas. Eles usaram moldes do que se acredita ser o crânio de Robert para fazer uma representação em 3D. Embora haja alguma incerteza se o crânio realmente pertence ao rei Robert, os historiadores estão razoavelmente confiantes de que é seu crânio.

2. 

John de Strivelyn (também conhecido como John Stirling) foi um cavaleiro escocês medieval que morreu em 1378. Seus restos mortais foram encontrados no Castelo de Stirling, sob uma capela real perdida do século XII. A Universidade de Dundee trabalhou nos restos mortais de John para recriar uma imagem tridimensional de como ele era. Eles usaram as mais recentes técnicas de digitalização digital e replicação e o resultado final foi pintado por um artista médico.

1. 

Mary Rose era um navio de guerra da marinha inglesa Tudor do rei Henrique VIII, que afundou em 1545 enquanto liderava um ataque à frota francesa. 500 anos depois, o navio e a maioria de sua tripulação foram recuperados e os cientistas examinaram os restos mortais. Enquanto as algas e outros crescimentos dificultavam a análise dos esqueletos, a equipe de pesquisa foi capaz de identificar um grande arqueiro em particular. Eles determinaram seu papel no navio como um homem empunhando um arco longo, bem como sua altura. Eles também criaram uma impressão 3D de seu crânio, que mais tarde foi usada para reconstruir seu rosto.

Bônus:

Mary Stuart foi Rainha da Escócia entre 1542 e 1567 e ela tinha apenas 6 dias quando aderiu ao trono. Ela passou seus últimos 18 anos sob custódia da rainha Elizabeth da Inglaterra, Mary foi considerada culpada de conspirar para assassinar Elizabeth em 1586 e executada. Ela tinha 44 anos no momento de sua execução. Especialistas da Universidade de Dundee compilaram todos os retratos disponíveis de Mary Stuart para recriar uma imagem em 3D do que ela teria parecido durante seu reinado.

Realmente impressionante.

[BoredPanda]

Publicidade

Share