A verdade sobre “Princesa Qajar”, a dama real com bigode: “Símbolo de beleza, elegância e perfeição”

Publicidade

Esta é a história da beleza sem igual, sobre a princesa iraniana Zahra Khanom Tadj – Saltaneh.

É muito possível que você já tenha visto algumas de suas fotos. Suas imagens aparecem com freqüência através da rede. Isso por que sua vida e aparência são muito peculiares. Diz a lenda que ela tinha 145 pretendentes da nobreza, além de ser considerada um símbolo de perfeição e beleza.

Publicidade

Mas os sites de notícias virais da princesa persa batizada como Princesa Qajar se tornaram ultimamente uma lenda. Ela foi apresentada como uma dama real com pelo facial que a fez tão atraente que 13 homens reivindicaram suas próprias vidas porque ela não podia amá-los. A verdade é que não houve “Princesa Qajar”, apenas a dinastia Qajar que governou a Pérsia por mais de um século.

O único fato sobre esse meme histórico é que, na época, era moda as mulheres persas usarem bigode. “Muitas fontes de língua persa, assim como fotografias, do século XIX, confirmam que as mulheres de Qajar exibiam um bigode fino, ou mais precisamente um suave, como um sinal de beleza”, explicou o Dr. Afsaneh Najmabadi.

Quanto aos 13 homens que se mataram por amor não correspondido, é provável, de acordo com a historiadora Victoria Martinez, que “Esmat já estava casada antes mesmo de completar 12 anos. O casamento era provavelmente arranjado, já que era o costume na época, deixando-a sem tempo para encontrar um homem que não fosse um de seus parentes homens.

Publicidade

Zahra Khanom-Saltaneh Tadj fez parte da dinastia Qajair (ou Kayar, de acordo com várias traduções), família real iraniana de origem turca que estava no poder de 1785 até 1925, quando eles foram derrubados pela dinastia Pahlavi.

Entre 1848 e 1896 o rei do Irã era Naser al-Din Sah Kayar e a princesa Zahra Khanom Tadj es-Saltaneh era uma de suas filhas. Dizem que ela era uma mulher revolucionária e à frente de seu tempo. Ela não era uma mulher subjugada de acordo com a ideologia iraniana.

Se sabe que ela casou e teve quatro filhos como esperado das mulheres de seu tempo, anos depois ela se divorciou, algo inimaginável naqueles tempos e em uma sociedade como o iraniana. Era como ir contra as regras e o protocolo estabelecido nessa cultura. Mais tarde, ela se tornou a musa inspiradora do poeta Aref Qazvini.

Zahra Khanom Tadj es-Saltaneh lutou pelos direitos das mulheres, sendo pioneira na criação da sociedade da liberdade da mulher. Como se isso não bastasse, seu talento incluía ser pintora, escritora e uma das primeiras mulheres a usar roupas ocidentais no Irã.

Ela era uma mulher revolucionária sem qualquer objeção. Foi considerada uma feminista e é estudada por pesquisadores em seu país e no resto do mundo que tentam entender sua figura e o impacto que ela produziu naquela época.

Ele continua a surpreender o mundo com suas fotos, seus amantes, seu talento e sua luta pelas mulheres. Compartilhe sua história com seus amigos e eles serão cativados.

Publicidade

Share