fbpx

25 rituais estranhos que farão você questionar sua existência no mundo

Publicidade

Publicidade

Toda religião tem seus rituais. Na verdade, é impossível nunca saber sobre essas práticas culturais se você é um ser humano. Está gravado em nossos genes e se expressou em todas as famílias, todos os países,

incluindo nossos próprios grupos odiados e amados da sociedade. Mas o que acontece quando essas práticas ultrapassam a barreira da normalidade e da lógica?

Quando os rituais são manifestados por crenças bizarras dos seres humanos e as práticas outrora ancoradas e domesticadas evoluem para um estranho fenômeno de culto?

Separamo aqui 25 rituais estranhos em todo o mundo e que farão você questionar a verdadeira razão por trás da existência deles.

25 – Famadihana – Dança com os mortos em Madagascar

A cada sete anos, a tribo malgaxe de Madagascar realiza um ritual de arrepiar os ossos que pode fazer qualquer um tremer de horror. Como parte do costume de Famadihana, eles trazem de volta aos corpos de seus ancestrais do cemitério para dançar ao redor de sua lápide com música ao vivo. Desenterrar os mortos nesta cerimônia é conhecido como “revirar os ossos”, eles honram seus ancestrais e sua memória com pessoas bebendo, conversando e dançando com os mortos.

24 – Festa nas cinzas dos mortos no Brasil e Venezuela

A tribo Yanomami no Brasil e na Venezuela pratica um ritual tradicional de morte que os impede de deixar qualquer parte do corpo falecido. Quando uma pessoa morre, os entes queridos são obrigados a comer sua carne. Quando o corpo é queimado posteriormente, eles esmagam os ossos e as cinzas em uma mistura de sopa e bananas fermentadas que devem ser consumidas pela família. Achou que o canibalismo era um assunto apenas da ficção não?

23 – A tradição romana de alimentar os mortos

Os cemitérios no Vaticano, em Roma, realizam um ritual surpreendente, onde alimentam os mortos através de canos em seus túmulos e lhes dão comida, vinho e mel. Parte da tampa do caixão é cortada e, assim, expõe a cabeça e um tubo que desce até a boca.

22 – Carregar as grávidas por chamas de carvão na China

Os chineses acreditam que, se o marido carregasse sua esposa grávida andando sobre os pés descalços de brasas, ela teria um parto fácil e sem dor. O ritual é realizado porque eles acreditam que o homem também deve sentir a dor da maternidade e que também mostra seu carinho e amor pelo recém-nascido que está por vir.

21 – Ritual de sequestro de noiva dos ciganos romani

Um costume perturbador, mas muito popular, seguido pelos ciganos romani é o sequestro da noiva, onde um homem pode sequestrar uma garota de sua escolha com quem ele quer se casar. Se ele conseguir mantê-la refém por 3 a 4 dias, o homem pode se casar, mesmo que a garota não concorde. Segundo pesquisa, 68 a 75% dos casamentos do Quirguistão ocorrem com esse ritual e são praticados principalmente nas áreas rurais.

20 – Proibição de 72 horas após o casamento no norte de Borne

A tribo Tidong, no norte de Borne, segue um ritual muito doente, onde os casais recém-casados não podem urinar, defecar ou até tomar banho por três dias consecutivos. A família garante que não dê grandes porções de comida ou água e acredita que isso levará a uma vida conjugal feliz.

19 – Comer placenta humana na China

Apesar do burburinho atual nas colunas de “saúde” de muitos sites, comer a placenta humana não é tão novo quanto muitos pensam. Essa prática relativamente comum na China é conhecida como placentofagia e remota a 2.000 anos de história.

Um texto médico clássico da dinastia Ming (1368-1644) dizia que a placente – que reveste o útero e é  a chave para a sobrevivência do feto – era “altamente nutritiva” e “se tomada a longo prazo… a longevidade será alcançada”.

18 – Usar anéis para ter pescoço comprido na Tailândia

A tribo Karen na Tailândia é obcecada pela beleza dos pescoços longos e das mulheres que frequentemente se envolvem nessa prática usando anéis em volta do pescoço. Bobinas de latão são colocadas em volta do pescoço aos cinco anos de idade e continuam adicionando mais anéis quando crescem.

17 – O festival vegetariano em Phuket

Este festival é realizado no nono dia do nono mês, de acordo com o calendário lunar, e se preocupa principalmente com a salvação de animais, abstendo-se de carne pelos próximos nove dias. Mas isso não é tudo. Para celebrar o mundo animal, a comunidade se reúne para realizar rituais como caminhar no fogo  e tomar banho de óleo quente. Absolutamente bizarro ou simplesmente louco? Tem que ser um desses.

16 – Adoração do urso Ainu no Japão e na Rússia

A tribo Ainu acredita que sacrificar ursos pode abençoar as almas da humanidade e, portanto, pratica esse ritual distorcido. O que torna esse ritual mais sombrio é o fato de que, apesar do relacionamento afim da tribo e urso Ainu que existe há centena de anos, eles torturam brutalmente as criaturas para satisfazer a Deus.

15 – O Hounen Matsuri no Japão

Todos os anos no dia 15 de março, o santuário de Tagata no Japão começa a transbordar com uma enorme multidão de devotos desse ritual de fertilidade. Uma celebração profundamente enraizada no folclore japonês apresenta budistas vestidos localmente com estátuas gigantes de um “phallus” enquanto oram com eles por fertilidade e colheita. Certamente uma maneira perversa de desejar o parto.

De acordo com o The Sun, ” os foliões podem comprar chaveiros, bugigangas, canetas, chocolates e até óculos de brinquedo em forma de pês ou com o nariz de pênis de plástico”.

14 – Beber sangue de vaca no Quênia e na Tanzânia

Uma tribo chamada Masai, que vive nas partes sul do Quênia e norte da Tanzânia, geralmente consome sangue de vaca para comemorar ocasiões especiais como parte e casamento. Também é usado como cura para uma ressaca e é um ritual popular que e é realizado perfurando o pescoço da vaca com uma flecha.

Publicidade

13 – Jogar bebês para dar sorte

Pode parecer ameaçador, mas esse ritual na Índia é uma tradição de longa data, em que famílias jogam seus bebês recém-nascidos de um santuário de 10 metros de altura. Ela existe há 700 anos e, apesar de ser ilegal, os pais ainda o fazem secretamente por uma boa saúde.

12 – Cortar os dedos para honrar os mortos

O povo Dani, da Papua Ocidental, na Nova Guiné, participa de um ritual muito doloroso, em que qualquer pessoa relacionada a um falecido é obrigada a cortar os dedos. Existem duas razões para essa prática: uma é honrar os mortos e outra expressar a tristeza por suas ausências através da dor.

11 – O ritual funerário esquimó

Os habitantes dos esquimós, uma das regiões mais frias do planeta e seu estilo de vida, frequentemente enfrentam lutas com alimentos e cuidados de saúde. Em condições tão extremas, torna-se impossível para as famílias cuidar dos idosos. Assim, eles colocam os idosos em carros alegóricos e os enviam para o mar, onde morrem de frio e fome.

10 – Salto de videira para a benção de Deus

No arquipélago do Pacífico, a vila de Bunlap é popular por um ritual estranho chamado Gkol. Nesta prática, os homens da aldeia amarram os pés às trepadeiras e pulam dos galhos das árvores. Acredita-se que o ritual acarreta um grande risco de ossos quebrados, mas também dependendo da altura do salto, os leva para mais perto de Deus.

9 – O ritual dos adultos da tribo Satere Mawé com formigas-bala

A tribo Satere Mawé é um país que tem um ritual especial para os meninos passarem para a fase adulta. Eles têm que colocar as mãos em uma luva cheia de formigas e experimentar as picadas 20 vezes. Eles devem usar as luvas por dez minutos d ecada vez. Além disso, as formigas utilizadas no ritual são as formigas-bala, conhecidas por terem uma das picadas mais dolorosas do mundo.

8 – Orar até desmaiar na América Nativa

Este ritual nativo exige que as pessoas se reúnam para orar e jejuar. Isso é realizado até que todas as pessoas na terra comecem a cair, algo conhecido como dança do sol. O que foi proibido na última metade do século XIX, em parte porque certas tribos infligiram a auto-tortura como parte da cerimônia, que os colonizadores consideraram terrível. E também, especialmente, porque foi uma tentativa de ocidentalizar os índios proibindo-os de se envolverem em suas cerimônias e falarem suas línguas.

Às vezes, a dança era realizada quando os agentes de reserva eram relaxados e não vigiavam corretamente, aos poucos a herança foi s extinguindo. Então, na década de 1930, a dança do sol foi reaprendida e pratica mais uma vez.

7 – Vivendo com os mortos na Indonésia

Na Indonésia, o povo de Torajan injeta formol nos mortos e, em seguida, mantém eles em suas casas, tratando-os como se fossem membros reais. Eles lhes dão roupas e comida. Pode parecer estranho, mas eles consideram que suas almas não se foram de suas vidas.

6 – Ritual de crocodilo da Papua Nova Guiné para se tornar adulto

Quando um menino está adulto, as comunidades de Papua Nova os enviam para a Guiné HansTambaran, onde um padrão semelhante à pele de crocodilo é gravado em seus corpos. A crença por trás dessa prática está relacionada à reencarnação. O garoto é supostamente comido por um crocodilo e volta à vida como um homem com as escamas. Assim, líderes tribais fazem incisões profundas de 2cm no corpo de jovens do sexo masculino – variando de 11 a 30 anos em alguns casos.

5 – Pais que constroem cabanas de amor para suas meninas no Camboja

No Camboja, quando uma garota atinge a puberdade, é permitido fazer sexo casual com meninos. Mas a parte estranha é que os  pais delas constroem pequenos lugares chamados “cabanas do amor” e aceitam os parceiros da filha.

4 – Jogando farinha como confete em aniversários na Jamaica.

Por aqui jogar confetes bobos pode ser uma manifestação popular, mas na Jamaica as coisas são diferentes. As pessoas usam farinhas para cumprimentar o aniversariante e as banham com ele.

3 – Saltando sobre corpos no festival El Colacho

Este é um ritual muito popular na Espanha, que ocorre no festival El Colacho. As pessoas colocam seus bebês recém-nascidos em colchões, onde são saltados por pessoas fantasiadas de palhaço.

2 – O ritual de possessão de espíritos e a África Ocidental

Em muitas partes da África Ocidental, as pessoas se entregam a um ritual de posse de alma, onde uma pessoa é submetida às esposas para encontrar uma conexão com o Sakpata, do Espírito da Terra. Quando o corpo está possuído, ele ou ela não recebe qualquer alimento ou água por três dias, após os quais são realizados mais rituais para trazê-los de volta.

1 – Limar os dentes em Bali, para se livrar de características animalescas

As pessoas em Bali praticam um ritual antigo que remonta ao século V aC, a fim de “suavizar a alma”. Um padre hindu é chamado para limar os dentes, especialmente as presas como um caminho para a vida adulta.

Bônus – Trocar esposas para confundir as almas más

Na América do Norte e Sibéria Oriental, os maridos trocam suas esposas por um período de tempo para confundir quaisquer espíritos malignos que conhecem sua identidade, para escapar de catástr

ofes. Pode parecer estranho, mas é uma verdadeira tradição na prática.

Via: The Popple (adaptado)

 

Publicidade

Share